O cacaueiro

Nas últimas aulas de Questões e Educação Ambiental a professora Mariana Mareco dissertou sobre a cultura do cacau em São Tomé, servindo-se de material recolhido por dois alunos da turma, Fernanda e José Carvalho, que recentemente se deslocaram, em férias, àquele país africano.

Em algumas fotos obtidas, foi possível observar o cacaueiro, a floração, as diversas fases de crescimento do fruto e todo o processo de transformação do grão ou amêndoa, que está na base da fabricação do chocolate.

Originária da bacia hidrográfica do Amazonas, a planta do cacau foi inicialmente introduzida na Ilha do Príncipe no início do século XIX. S. Tomé e Príncipe foi considerado em 1900 o maior produtor mundial de cacau. Atualmente cerca de 60% da produção mundial é garantida pela Costa do Marfim, 1.º produtor mundial, e pelo Gana.

O cacaueiro é uma árvore de pequeno porte (4 a 6 metros de altura) que cresce em zonas de vegetação densa e húmida e necessita de sombra para se desenvolver. Apresenta um tipo de floração e frutificação pouco comum: as flores e subsequentes frutos nascem diretamente do tronco principal ou dos ramos próximos. Os frutos medem cerca de 25 cm de comprimento que apresentam, quando maduros, uma tonalidade esverdeada, amarela ou roxa. Cada fruto contém cinquenta ou mais sementes envoltas numa polpa viscosa e esbranquiçada. Em cultivo, para facilitar a colheita, é costume podá-lo quando ultrapassa os quatro metros.

Depois de colhido, o fruto é aberto e as amêndoas são colocadas em cochos de madeira e cobertas com folhas de bananeira. Durante a fermentação, que deverá demorar de cinco a sete dias, as sementes devem ser revolvidas periodicamente.

Após fermentadas, as amêndoas são sujeitas a secagem ao sol durante um período de aproximadamente seis dias.

A armazenagem é feita em sacos de serapilheira em local arejado. Segue-se o envio para as empresas fabricantes de chocolate.

É muito conceituado o chocolate produzido em S. Tomé pela fábrica Corallo.

Em complemento, tivemos ainda a oportunidade de apreciar o cafeeiro e constatar a diferença entre as plantas de café robusta e arábica.

Fernanda e José Carvalho

A história do Cacaueiro

Barbara Maia de Slidely by Slidely Slideshow

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *